quarta-feira, 26 de maio de 2010

REFLEXÕES SOBRE O ‘VIVER’

Parece-me que viver é muito mais do que sentir. É de fato, fazer-se, lançar-se sobre a linha do tempo, sofrendo os declives da história. Viver é um querer, é uma pulsão que vem de dentro da gente, a qual nos impulsiona a buscar respostas eloquentes aos nossos questionamentos.

Viver é a arte de se encantar! Viver não é apenas ser. Viver ultrapassa limites. Viver é o esforço do ser enquanto ser-no-mundo. Viver é um constante arriscar-se. Viver é a tentativa de superar e ascender sempre. Viver é conjunto de possibilidades, jamais sentença! Viver é guerrilha humana! Viver é desafiador! Viver não é sonho!

Não se diz que eu “vivo”, mas, meu “viver” grita aos quatro cantos que eu vivo vivendo. Viver é a praticidade filosófica colocando-se no pano de fundo da história. Viver é uma constância inconstante que se delonga até a morte, no ensejo desta ser passagem, viver é infinitude. Viver é mais ato do que verbo. Viver é superior ao pensamento.

Viver se distingue de existir. Existir é ontológico. Viver é pragmaticidade! Viver é dinamismo, é mudança, é construção. Viver é identificar-se no mundo, viver no mundo, mas, conscientizar-se de que o mundo não possui a habilidade de me apreender. Viver é apaixonar-se a cada dia por um ideal... um único ideal: ser feliz! Viver é buscar mil maneiras de ser sempre o mesmo e, paradoxalmente, mudar constantemente.

Viver é relacionar-se-com. Viver é um encadeamento de reações com um único desfeche: o fim – que necessariamente não é fim! Viver é começar e re-começar sempre! Viver é loucura às vezes. Viver é também decepcionar-se, é sofrer, se aborrecer. Viver é também cair, se machucar, ferir. Viver é correr atrás do que passou e não foi feito. Viver é recordar-se! Viver é desejo! Viver é desconstrução e edificação. Viver é dependência-de. Viver é a arte do bem se relacionar, do bem se expressar, do bem agir.

Viver é sonhar! Viver afinal é transcender! Viver é fazer! Viver se contradiz com a corrente... quiçá não seja o “nadar contra a corrente”. Viver é conquistar! Viver é ser gente independentemente do que pensem. Viver, viver, viver... apenas! Viva e deixe viver!


26 DE MAIO DE 2010

LUIZ FELIPE P. DE MELO.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Neste ano de 2010, a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos [SOUC] será realizada entre os dias 16 e 23 de maio e terá como lema: “Vocês são testemunhas dessas coisas” (cf. Lucas 24, 48). Vale lembrar que as igrejas escocesas também celebram, concomitantemente com a SOUC, o centésimo aniversário da Conferência de Edimburgo, e o tema proposto é semelhante: “Testemunhar Cristo Hoje”. Preparando-nos para celebrar Pentecostes, pois é obra do Espírito Santo a unidade dos cristãos. Mas, muitos de nós, católicos ou não, precisamos entender melhor o que é o ecumenismo e como ele é importante para nossa fé.

O que é ecumenismo? Ecumenismo é o processo de busca da unidade. O termo provém da palavra grega “oikos” (casa), designando “toda a terra habitada”. Num sentido mais restrito, emprega-se o termo para os esforços em favor da unidade entre Igrejas cristãs; num sentido lato pode designar a busca da unidade entre as religiões ou, mesmo, da humanidade. Neste último sentido, emprega-se também o termo “macroecumenismo”.

Independentemente da definição, o objetivo da Igreja Católica Romana é buscar uma aproximação, o que, muitas vezes, dá a impressão de que o objetivo do movimento é acabar com as outras Igrejas para formar apenas uma; e, principalmente, de que na nova Igreja todos se submetem a uma só autoridade eclesiástica. Mas, na verdade, não é exatamente esta a proposta. Por isso, é importante entender a questão mais profundamente. Assim, ecumenismo é um assunto fascinante e desafiador. Discutir a questão ecumênica requer, antes de tudo, despir-se de preconceitos ou qualquer outro tipo de resistência. Mas, acima de tudo, sinceridade e clareza nas convicções e posições.

A iniciativa [ecumenismo] foi celebrada em âmbito mundial no final de janeiro e agora acontece em âmbito local, com organização do Conic (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs). Segundo informa a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), o ponto alto do evento aconteceu no dia 7 de maio, na catedral metropolitana de Brasília, com uma celebração especial em ação de graças pelo Centenário da Semana de Oração.

O presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e Diálogo Inter-Religioso e Arcebispo de Montes Claros (Minas Gerais), Dom José Alberto Moura, recordou a trajetória da ação. «Há 30 anos o evento é realizado de forma mais organizada e intensa, inclusive em diversas paróquias do Brasil e do mundo envolvendo as igrejas evangélicas pertencentes ao Conic», destacou.

Para Dom Moura «o evento significa um esforço de compreensão e respeito entre as igrejas cristãs, uma tentativa de buscar a unidade dos cristãos como Jesus Cristo queria ‘um só rebanho e um só pastor’, no esforço de confiança em Deus». O arcebispo considera que, apesar das barreiras que separam as várias denominações cristãs, existem pontos comuns que ajudam na aproximação destas. Para ele, «são esses pontos que possibilitam o estreitamento entre as denominações», dando como exemplo encontros e iniciativas de oração. Para motivar a referida semana [Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos], o Conic preparou um subsídio que faz um resgate histórico do centenário dessa iniciativa e auxilia nas questões práticas de como fazer o evento acontecer nas comunidades religiosas, escolas, universidades, famílias.

O Conic abrange seis igrejas cristãs: Igreja Católica Apostólica Romana, Igreja Cristã Reformada, Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia e Igreja Presbiteriana Unida. Seus objetivos são, entre outros: estudar e refletir sobre questões teológicas e outras que se constituam relevantes para a unidade e a missão da Igreja, nomeadamente os resultados dos diálogos interconfessionais; propiciar reflexão e tomada de posição comum perante a realidade brasileira, confrontando-a com o Evangelho e as exigências do Reino de Deus. A entidade também se empenha na promoção da dignidade, dos direitos e deveres da pessoa humana, criada à imagem de Deus, em busca e a serviço do amor, da justiça e da paz; desenvolve linhas comuns de ação e favorece o relacionamento com entidades congêneres, nacionais e internacionais.

Pentecostes é uma festa que tem tudo a ver com ecumenismo: as pessoas nesse dia não passaram a falar todas a mesma língua, mas entenderam a pregação de Pedro cada uma do seu jeito e se sentiram unidas por um Evangelho comum. Bom mesmo será se o espírito da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos perdurar e dela nascerem outras iniciativas: grupos conjuntos de reflexão bíblica, festivais de música entre as Igrejas, ações de promoção social realizadas ecumenicamente... E o que mais o Espírito Santo inspirar.

UM POUCO DE HISTÓRIA

A celebração mundial da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos começou na Igreja Episcopal [anglicana], no ano de 1908, em Graymoor, no vale do Rio Hudson, no Estado de Nova York, Estados Unidos. Dez anos antes, Paul James Wattson, clérigo da Igreja Episcopal, fundou junto com Lurana Mary White, também da Igreja Episcopal, as congregações franciscanas que formam a Sociedade de Atonnement, ou seja, da Reconciliação, na Vila Graymoor, perto da cidade de Garrison. Na sua Igreja, frei Wattson encontrou apoio do Reverendo Spencer Jones, reitor da Igreja na Inglaterra, e conhecido como um autor catequético. Em 1907 o Reverendo Jones sugeriu ao Frei Wattson que deveria se observar um dia de oração pela unidade dos cristãos todos os anos, no mundo inteiro, na festa de São Pedro.

Frei Wattson gostou muito da sugestão, mas recomendou que seria melhor uma "Semana de Unidade Cristã", começando na festa da Cátedra de São Pedro, no dia 18 de janeiro, e terminando na festa de São Paulo, no dia 25 de janeiro.

A Semana da Unidade na Igreja foi celebrada pela primeira vez em 1908, e depois foi chamada "A Oitava de Unidade da Igreja" pelo frei Wattson, já que havia oito dias entre as duas festas.

Atualmente a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos é celebrada por milhões de cristãos no mundo. O decreto sobre o ecumenismo do Concílio, promulgado em 1964, chamou a oração de alma do movimento ecumênico e animou a celebração. Em 1996, a Comissão Fé e Constituição, do Conselho Mundial de Igrejas e o Pontifício Conselho pela Unidade dos Cristãos começaram a colaborar na elaboração de um texto comum internacional para uso em todo o mundo.

Desde 1968 estes textos internacionais, baseados em temas propostos por grupos ecumênicos existentes no mundo, são adaptados à realidade dos diferentes países. Aqui no Brasil essa adaptação é feita pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil.

Oração pela unidade: “Mas, agora, vou para junto de ti. Dirijo-te esta oração enquanto estou no mundo para que eles tenham a plenitude da minha alegria. Dei-lhes a tua palavra, mas o mundo os odeia, porque eles não são do mundo, como também eu não sou do mundo. Não peço que os tires do mundo, mas sim que os preserves do mal. Eles não são do mundo, como também eu não sou do mundo. Santifica-os pela verdade. A tua palavra é a verdade. Como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. Santifico-me por eles para que também eles sejam santificados pela verdade. Não rogo somente por eles, mas também por aqueles que por sua palavra hão de crer em mim. Para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que também eles estejam em nós e o mundo creia que tu me enviaste. Dei-lhes a glória que me deste, para que sejam um como nós somos um: eu neles e tu em mim, para que sejam perfeitos na unidade e o mundo reconheça que me enviaste e os amaste como amaste a mim. Pai quero que, onde eu estou, estejam comigo aqueles que me deste, para que vejam a minha glória que me concedeste, porque me amaste antes da criação do mundo. Pai justo, o mundo não te conheceu, mas eu te conheci, e estes sabem que tu me enviaste. Manifestei-lhes o teu nome, e ainda hei de lho manifestar, para que o amor com que me amaste esteja neles, e eu neles”. (Cf. Jo 17,14-26).

Oremos: Leva-nos de onde estamos agora para onde queres que estejamos; faze de nós não apenas guardiões de uma herança, mas sinais vivos do teu Reino que vem; inflama-nos com paixão pela justiça e pela paz entre todos; enche-nos com aquela fé, esperança e amor que permeia o Evangelho; e através do poder do Espírito Santo faze-nos UM. Para que o mundo possa crer, que teu nome seja glorificado em nossa nação. Para que a tua Igreja possa ser mais efetivamente teu corpo, nós nos comprometemos a te amar, te servir e a te seguir como peregrinos, não estranhos.

Veni Creator





Veni, Creator Spíritus,
mentes tuórum visita,
imple supérna grátia,
quae tu creásti péctora.
Qui díceris Paráclitus,
altíssimi donum Dei,
fons vivus, ignis, cáritas,
et spiritális únctio.
Tu septifórmis múnere,
dígitus paternae déxterae,
tu rite promíssum Patris,
sermóne ditans gúttura.
Accénde lumen sénsibus;
infunde amórem córdibus,
infírma nostri córporis
virtúte firmans pérpeti.
Hostem repéllas lóngius,
pacémque dones prótinus;
ductóre sic te praevio
vitemus omne noxium.

Per te sciámus da Patrem,
noscamus atque Filium;
teque utriúsque Spíritum
credamus omni témpore.
Deo Patri sit glória,
et Fillio, qui a mórtuis
surréxit, ac Paráclito,
in saeculórum saecula. Amem.

V/ Emítte Spíritum tuum, et creabúntur.
R/ Et renovábis fáciem terrae.
Deus qui corda fidélium Sancti Spíritus illustratióne docuísti: da nobis in eódem Spíritu recta sápere; et de ejus semper consolatióne gaudére. Per Christum dominum nostrum. Amém.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Nada Vai Me Sufocar; Sandy e Junior

Parei com você, não vou arriscar
Deixo de crescer
Preciso dizer, não quero te amar
Nem comprometer
Meus sonhos, vontades
Melhor sem você
Dizer a verdade vai ajudar
Tente entender

Que eu quero te perder
Pra me encontrar
Viver e ver acontecer
Me transformar
Se eu desaparecer
Pode apostar
Que nada vai me convencer
Me sufocar

Dispenso o seu drama, vou arriscar
Sei como agir
Preciso dizer, não quero te amar
Nem iludir
Teus sonhos, vontades
Não posso assumir
Dizer a verdade vai ajudar
Pare de insistir

Pode ser que um dia eu volte atrás
E descubra que compliquei demais
Agora não vou saber
Se ao menos posso te querer

terça-feira, 18 de maio de 2010

Futurismo....

Parei pra repensar a vida e,
eis que me pergunto:

Afinal, o que quero para meu futuro!?


Talvez você possa dizer, mas, por que pensar em futuro!?
Ah! - eu simplesmente responderia - porque não sou apenas presente!

Penso...
que cumprir a vida, como canta Almir Sater,

"seja simplesmente
Compreender a marcha e ir tocando em frente"

Ai! Estou com medo do dias que virão,
das pessoas que cruzarão meu caminhar...
Estou voltando ao estado primitivo...

Na verdade eu estou enlouquecendo!


segunda-feira, 17 de maio de 2010

Desejando...

O que hoje escrevo é fruto de uma historicidade, de fatos e hábitos, de sensações e emoções. Escrevo para registrar meus pensamentos, minhas paixões. Penso que mais tarde eu venha a ler o que escrevi e não mais terá sentido, pois a mola propulsora que me fez colocar-me sobre este papel (sobre esta tela) enferrujou, a ação do tempo a desgastou e ela não mais possui forças sobre meu consciente.

Transcrevo para uma realidade metalinguística a experiência dos sofrimentos passados. Como ainda está sendo difícil deixar de pensar em você... Está tão entranhado em mim mesmo que, por enquanto, tudo o que eu faça para tirar você de mim, escavo ainda mais a fissura ôntica na qual momentâneamente te abrigastes. Talvez eu seja poético demais, porém, o sou por vocação do espírito.

É fato que minha história de vida é constituída por sofrimentos, por decepções, todavia, não estou convencido que sofrer seja a minha meta, nem tampouco a morte, como alguém já dissera. Sou um ser que busca a liberdade. Quero viver em estado de liberdade. Quero viver em estado de liberdade, como uma águia ágil que se lança na imensidão do céu azul a rasgar os sete véus do infinito. Quero fazer a experiência do barco que, com sua íngreme rasga nas águas sua existência, que abre e se expande, mas, e ao mesmo tempo se lança na infinita impossibilidade de se perder de si e incorporar-se ao cenário mar-céu, perdendo-se em meio ao horizonte.

Não posso e nem quero passar uma borracha no que vivi, contudo, quem me dera parar a cronologia e no instante que parecias retido em mim, eternizar-te com o sinal de meu sentimento. Porém, como não posso, apenas lamento. Lamento o fato de ter alimentado possibilidades, de ter buscado enxergar na escuridão de teus sentimentos uma razão de ser, uma luz. Enganei-me! Cruelmente deixei-me seduzir pelo teu silêncio que ratificava aquilo que eu mais desejava. Impossível voltar atrás, difícil seguir em frente! Como canta a canção, todas as vezes que tento te esquecer, avivo ainda mais a memória de sua face. Busco preenche meus pensamentos com tantas coisas, com várias coisas, mas, me dou conta que continuo a sofrer.

As lágrimas que não escorrem em meu rosto, encharcam meu coração com a taquicardia que me impulsiona a tirar você do pensamento. Ahr! Que sofrimentos! Coisa pior não sentia há tempos... Encerro por hoje, esperançoso de que não mais sentirei necessidade de trazer para o papel (para a tela deste computador) as minhas agruras, os meus desesperos por tua culpa.




Luiz Felipe P. de Melo.
(Durante a aula de Filosofia da Mente; 17/05/2010)

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Nem sei como devo chamar...





Hoje não quero ser poético, débil, nem tampouco lírico, porém quero colocar aqui um pouco do que passei e do que senti nestes últimos dias... Escapismo! Culto à morte! Dores intensas em minh`alma as quais provinham de incertezas do coração; este que não opta por quem o queira.

Pobre coração! Calejado! Dolorido de tanto sofrer, de tanto errar em escolher...

Apenas quero dizer que me lanço no diligenciar da existência... DASEIN!

Eis-me!

Lançado: frente à vida, frente à morte, traço um caminho, diria arriscado, abandonar-me nos braços de quem somente me ama... de quem nada exige de mim!


E mais nada!


Frase do Dia!

"As desilusões, no amor humano,
são um presente e um chamado de Deus"

(A riquesa de ser puro! - Schoenstatt).

Gratidão; Vida Reluz





Eu encontrei um amor perfeito
Um tesouro escondido diante desse altar
Seu valor é maior que tudo, nada poderá se igualar.

Te adorarei com todo meu ser
Quando estou mais perto de ti, fortaleces o meu viver.
Te exaltarei com meu coração
Majestade, estou aqui para te render meu amor, minha gratidão.

A quem irei se tua voz é vida, tua presença é tão clara, é tão forte como o sol.
Sou feliz porque sei que vivo estás, tudo que me resta é te amar.
REFRÃO

Levantarei minhas mãos
Minha adoração irá tocar o céu
Forte cantarei, te adorarei,
Pão da vida...

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Ora pro nobis, Mater Dei Genetrix!




VIVA A MÃE DE DEUS E NOSSA,
SEM PECADO CONCEBIDA...

SALVE A VIRGEM IMACULADA
DO ROSÁRIO DE FÁTIMA!!!

Formosa és...





Formosa és, Rainha Imaculada, fragrante lis, aurora divinal.
Se os olhos meus um dia te olvidarem, ó Mãe então, recorda-te de mim.

Quero morrer cantando os teus louvores, qual rouxinol que expira ao por do sol. Quando partida, a minha pobre lira, te cantará meu triste coração. (Refrão)

Formosa és, ó Mãe Imaculada,
o próprio Deus te fez primor sem par. Tu tens do sol o brilho insuperável.
O esplendor dos astros a brilhar.

Formosa és, ó, Filha do teu Filho. Por Ele ornada de eternal candor.
De tua virtude o mundo se enganala para hospedar o Filho Teu, Jesus.

Formosa és, esposa sempre pura. Fornalha ardente do divino amor.
Teu coração que o sol divino aquece de eterna vida é fonte perenal.

13 de maio de 2010: Nossa Senhora de Fátima!


 Nossa Senhora de FátimaSegundo as memórias da Irmã Lúcia, podemos dividir a mensagem de Fátima em 3 ciclos: Angélico, Mariano e Cordimariano.

O ciclo Angélico se deu em 3 momentos: quando o anjo se apresentou como o Anjo da Paz, depois o Anjo de Portugal e por fim o Anjo da Eucaristia.

Depois das aparições do anjo, no dia 13 de maio de 1917, começa o ciclo Mariano, quando aquela que se apresentou mais brilhante do que o sol a 3 crianças: Lúcia, 10 anos, modelo de obediência e seus primos Francisco, 9, modelo de adoração e Jacinta, 7, modelo de acolhimento.

Na Cova da Iria aconteceram 6 aparições de Nossa Senhora do Rosário. A sexta, sendo somente para a Irmã Lúcia, assim como aquelas que ocorreram na Espanha, compondo o Ciclo Cordimariano.

Em agosto, devido às perseguições que os Pastorinhos estavam a sofrer por causa da mensagem de Fátima, a Virgem do Rosário não pôde aparecer para eles na Cova da Iria. No dia 19 de agosto ela aparece a eles então no Valinhos.

Algumas características em todos os ciclos: o mistério da Santíssima Trindade, a reparação, a oração, a oração do santo Rosário, a conversão, a consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria.

Enfim, através dos Pastorinhos, a Virgem de Fátima nos convoca à vivência do Evangelho, centralizado no mistério da Eucaristia. A mensagem de Fátima está a serviço da Boa Nova de Nosso Senhor Jesus Cristo.

A Virgem Maria nos convida para vivermos a graça e a misericórdia.

A mensagem de Fátima é para o mundo, por isso, lá é o Altar do Mundo.

Expressão do Coração Imaculado de Maria que no fim irá triunfar é a jaculatória ensinada por Lúcia:
"Ó Meu Jesus, perdoai-nos e livrai-nos do fogo do Inferno, levai as almas todas para o Céu; socorrei principalmente as que mais precisarem!"

Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!

Salve Rainha!

Fiat mihi secundum verbum tuum!





Ave Maria, gratia plena;
Dominus tecum:
benedicta tu in mulieribus,
et benedictus fructus ventris tui Iesus.
Sancta Maria,
Mater Dei ora pro nobis peccatoribus,
nunc et in hora mortis nostrae. Amen.

Ainda Estou Sentindo a Falta de Você; Calcinha Preta

Ainda estou sentindo falta de você
Eu sei que não tem jeito não tem nada a ver
Eu tenho simplesmente que seguir a minha estrada
Quem sabe eu ache alguém para me fazer feliz
Que queira tudo aquilo que você não quis
Que saiba dar valor ao meu amor
E que me queira bem

Estou sozinho livre outra vez
O amor se desfez
Não.. não deu em nada
Você e eu tudo aconteceu
Não fui nada mais
Que um degrau na escada
Pensamentos absurdos
Caiu o meu mundo

Não tem mais volta
Foi ponto final
Quebrou o cristal
É não tem mais conserto
Pensamentos absurdos
Caiu o meu mundo




DESENCANTAMENTO




Arrisca-te, vil ser,

Numa louca tentativa

De enganar-se a si mesmo.

Tropeçando e caindo,

Entre pedras e espinhos.

Vou abrindo caminhos,

Sofrendo sozinho.

Deparando-me frente

À louca competição

Que me arruinou o coração.

Sonho, dor,

Queda, desilusão.

Medo, frustração!

Tudo isso no compasso do coração.

Bomba! Susto!

Decepção!

Desiludido, talvez.

Arrependido de vez.

Com medo de não mais ser feliz.

LUIZ FELIPE P. DE MELO

Madrugada de 13 de maio de 2010.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

ATENÇÃO!

Pés Cansados; Sandy/ Lucas Lima


Fiz mais do que posso
Vi mais do que agüento
E a areia dos meus olhos é a mesma
Que acolheu minhas pegadas

Depois de tanto caminhar
Depois de quase desistir
Os mesmos pés cansados voltam pra você.
Pra você.

Eu lutei contra tudo
Eu fugi do que era seguro
Descobri que é possível viver só
Mas num mundo sem verdade.

Depois de tanto caminhar
Depois de quase desistir
Os mesmos pés cansados voltam pra você.
Pra você.

Sem medo de te pertencer.
Voltam pra você.

Depois de tanto caminhar
Depois de quase desistir
Os mesmos pés cansados voltam pra você.
Pra você.

Meus pés cansados de lutar
Meus pés cansados de fugir
Os mesmos pés cansados voltam pra você.
Pra você.

Affernandvs!


Queria poder arrancar de ti

Todo o teu sofrimento.

Nem que fosse por apenas

Um único momento.

Queria poder te dar ouro,

Mirra e incenso.

Te perfumar!

Te cobrir de beijos!

Queria ter a coragem

De te recitar cada verso,

Cada soneto, de te olhar.

E acabar com todos os teus medos.

Queria poder te dar

Algo que nunca tivesses.

Algo em que sonhei,

Algo tão distante.

Queria poder estar contigo agora

Abraçando-te, mimando-te.

Contigo contemplando a aurora.

Queria tocar-te o corpo

E despertar em ti o desejo.

Queria que você se encantasse com meu jeito.

Queria você só pra mim,

Beijá-lo, abraçá-lo

Do meu jeito assim.

Queria ao menos te ter por um segundo,

Por o único minuto.

Para não mais te tirar de mim

E esquecer de vez o mundo.

Luiz Felipe P. de Melo.

Madrugada de 12/05/2010.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Dias Iguais; Luiza Possi

Se eu quiser me convencer
Tudo pode ser então,
Um bom motivo pra eu desistir
Se eu tiver que te dizer
Tudo pode ser em vão
Tudo que eu já sofri

Já tentei esquecer
Fingir que vai mudar
Que com o tempo vai passar
Mas é sempre igual
Ninguém pode saber
O quanto eu penso e sinto por você
Mas é sempre assim
Tenho medo de dizer
Que sem você aqui
Os meus dias são sempre iguais
Eu só penso em você (yeah)

Mesmo se quiser tentar
Você nunca vai entender
Porque tantas vezes eu chorei
Mas se eu puder sonhar
Com um dia perfeito pra mim
Vai ser tudo como imaginei

Palavras trabalhadas, palavras amargas...




Com estas palavras repensadas,
Quero gravar na parede do teu coração
Os meus sentimentos, a minha paixão.

Não sou tão bom,
Não sou perfeito,
Sou simples, sou complexo.
Mas, te quero com emoção.

Com carinho te desejo,
Com os olhos eu te prendo.
Com teus beijos me surpreendo.

Sem você, eu só passo.
Amo, desamo...
Se possível eu mato!

Invento e reinvento,
Com você eu sonho, eu desejo.
Me iludo com teus beijos.

Mas que sina a minha,
Viver de ilusão.
Sem voce, sem uma meta, sem uma linha.

Perdido e, ao mesmo tempo, encontrado.
Encantado!
Sem voce, sem seus cuidados!

Não fui eu quem desejei assim,
Sofrer por amor a voce.
Sofrer sem teu amor, sem um fim.

Descompassado, perdido,
Iludido, apaixonado.
Adjetivos de um pobre tresloucado!

Bem, despeço-me, contrito.
Cheio de dor!
Aflito!

Assim, nestes últimos dias
É como eu vivo!
É o que eu sinto!

Marco nesta tela
Minha aflição de existente,
Por amar de mais e não ser resistente!


Luiz Melo;
11/05/2010